Translate

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Mesa redonda 6: Um perfume para o antigo Egito

  Nesta nova oportunidade de integrar mais uma "Mesa redonda", com os colegas blogueiros perfumados, a escolha do tema veio de uma proposta feita por mim mesma: "Qual aroma você imagina que um perfume encontrado em uma das pirâmides do Egito teria"?
  Sempre li que os egípcios sabiam lidar com perfumes, e que provavelmente foi o primeiro povo de que se tem notícia até então, que elaborou a primeira fragrância para uso pessoal. Inclusive em algumas buscas arqueológicas foram encontrados frascos de perfumes usados por integrantes desta fascinante civilização.
  E que curiosidade isso sempre me despertou! Imagine, se um destes frascos fosse encontrado com seu conteúdo intacto,perfeitamente hermético e não maculado pela passagem do tempo (e quanto tempo!!) e ainda me fosse dada a oportunidade de conhecer esta fragrância. Como será que ela seria?
  Eu poderia descrever um aroma que eu imagino que combinaria com um faraó, com uma nobre egípcia ou ainda com um integrante de camada social menos elevada, por que não?. Ocorre que não precisei inventá-lo, pelo simples fato de que existe um perfume que toda vez que uso sou reportada para aqueles cenários tão atrativos do Egito, envoltos em repleto mistério.
  Maa Althahab. Por mais uma vez eu venho falar sobre um attar (óleo aromático) dessa marca. O meu preferido até o momento e que me deixou apaixonada de imediato: "Óleo egípcio de âmbar". Eu ainda não sei o nome desta fragrância em árabe, mas assim que eu receber a resposta da empresa eu atualizo o post neste detalhe de crucial importância.
 Os attares têm como característica a alta concentração dos componentes com os quais são elaborados. Infelizmente, se nem o nome do attar em árabe eu ainda sei, o que dirá ter informação sobre sua pirâmide olfativa. Assim, na ausência destes dados, limito-me a tentar descrevê-lo.
O Óleo de âmbar Maa Althahab apresenta-se bastante atalcado, "poeirento" mesmo, de um talco branco rosáceo com uma conotação um pouco infantil. Abafado, denso e pesado, mas não pesado no sentido de ser sufocante ou com aspecto envelhecido, nada disto. A beleza dele está no equilíbrio entre esta densidade e a abertura floral que graciosamente se transmuta em luz.
 Sinto-o com uma base bastante leve e até tímida de alguma madeira rara, nobre e adocicada. Se eu pudesse adivinhar quais são seus componentes, eu apostaria na tríade: rosas, âmbar e oud, mas um oud extremamente gentil, quase imperceptível.
  A duração na pele é boa, eu diria que mediana, e exala de uma maneira interessante, numa espécie de "dança", quando em determinados momentos o sentimos com mais intensidade do que em outros, ou seja, é um exalar dinâmico e intermitente.
 É com esses elementos que ele consegue transmitir uma série de facetas que se adaptam a uma personalidade feminina mas bastante forte, onde coexistem as imagens de poder e afabilidade, apresentando-se do seguinte modo: consegue outorgar sua presença mas sem perder a classe.




                                               O âmbar egípcio 
   

                                              Na esteira do tempo
                                              A marca de uma rainha
                                              Verniz de rosa damascena 
                                              Invólucro de uma índole felina

                                              No sangue grego vibrava o sândalo destilado

                                              Em um nobre amálgama macedônio e persa
                                              O  imponente semblante de tom acobreado
                                              Hoje se oculta em alguma estátua submersa

                                              Mas quando reluzia a tintura de almíscar negro

                                              Na fúria do olhar marcado por kohl e açafrão
                                              Destacava-se tal flor de henna no deserto
                                              Sob tempestade de areia e carvão

                                              O destino selou esta alma régia
                                              E entregou ao mundo sua eterna basilissa
                                              Armada de sapiência, lascívia e muita estratégia
                                              Suas marcas registradas foram a ambição e a cobiça

                                              Fez de Apolodoro o mensageiro de curioso fardo
                                              Sendo a armadilha que jazia oculta em um tapete
                                              E era assim que indo de Júlio César a Marco Antônio
                                              Ela conseguia transformar a todos em joguete

                                              Reinou sob o olhar da enigmática esfinge
                                              Como rosa intoxicante espargindo aroma de vetiver
                                              Provou que aquilo que se deseja, se atinge
                                              O poder estava todo nas mãos de uma mulher

                                              Com olhos de serpente e altivez de um abissínio
                                              Lótus azul e papiro unindo o alto e o baixo Egito
                                              O sedutor nenúfar do Nilo impunha o seu domínio
                                              E a cada passo construía seu poderoso mito
                                                               
                                              Foi senhora absoluta de Tebas,Luxor e Karnak
                                              E do futuro Império Romano planejava ser imperatriz
                                              Pois seria justo das terras desejadas que viria o ataque
                                              Que ameaçar-lhe-ia o cetro com sua força motriz

                                              Eis que surge Otaviano, com sua figura prosaica
                                              Imune à rainha, recusou a honrosa parceria
                                              Decidido, pôs termo à dinastia Ptolomaica
                                              Apagando para sempre o sol de Alexandria

                                              Mas a orgulhosa mulher que não nasceu para o fracasso
                                              Sucumbiu a si mesma sob íntimo regozijo   
                                              Legando ao inimigo apenas um corpo lasso
                                              Ao provar da áspide o mortal beijo
                                      

  Por que é quase impossível pensar no Egito sem pensar em CleópatraPara mim, o aroma do perfume aqui descrito seria o perfeito para esta personagem tão forte e fascinante, bem como poderia ser um dos raros perfumes encontrados em alguma das tantas pirâmides existentes no Egito, e que serviam de tumba para os nobres daquela civilização.

 O poema de hoje é dedicado a essa personagem histórica cativante, pois o aroma deste attar casa perfeitamente com essa personalidade marcante, tão sábia quanto manipuladora, e que teve seu destino moldado proporcionalmente a sua sede de poder. Mais que uma mente brilhante e um corpo supostamente sedutor, Cleópatra conseguiu gravar na história da humanidade seu peculiar modo de ser e de agir ao "jogar" estrategicamente com personagens de relevância fundamental. Destarte acabou por conseguir a proeza de tornar-se um símbolo do próprio Egito sem ao menos ser ...egípcia!

 Como infelizmente não há imagens reais de Cleópatra, eu deixo aqui algumas das imagens do filme "Cleópatra", de 1963, no qual Elizabeth Taylor foi sua intérprete.



Com Marco Antônio(Richard Burton) e Júlio César(Rex Harrison)

                                               Com Júlio César( Rex Harrison)
                                                       Mostrando quem é que manda...
                                              Também tinha seus momentos de tédio...
Nada melhor que uma banho real...
                                          Enquanto bola novas estratégias.( Eu quero uma fonte dessa!)
Renovada
Ensinando a pintar o côncavo desde antes de Cristo...
              ... e também a pintar o sete.                                      
Olha o frasco de perfume ali gente!!!
Alguma dúvida que ela era GAPA? ( Vejam que lindos os perfumeiros e o espelho com cabeças de bode)
As pirâmides de Gizé( Queóps, Quéfren e Miquerinos)
Efígie de Cleópatra

  Como já é sabido pelo leitor, hoje o tema também foi explorado nos demais blogs e sites dos colegas abaixo listados, razão pela qual meu convite para visitá-los renova-se mais uma vez.

1)Beth do site "Perfume Bighouse"-www.perfumebighouse.com
2)Carla do blog "Pimenta e Vanilla"-http://www.pimentavanilla.blogspot.com.br
3)Cassiano do site "Perfumart"-http://www.perfumart.com.br/
4)Cris Bazoni do blog "Odorata parfuns"-http://www.odorataparfuns.blogspot.com.br/
5)Cris Nobre do blog "Templo do perfumes"-http://templodosperfumes.blogspot.com.br/
6)Dâmaris do blog "Village beauté"-http://villagebeaute.blogspot.com.br/
7)Diana do blog " A louca dos perfumes"-http://aloucadosperfumes.wordpress.com/
8)Mariana Rocha do site "Estante perfumada"-http://http://www.estanteperfumada.com/
9)Priscila Lini do site "Parfumeé"-http://www.parfumee.com.br

10 comentários:

  1. Li, que magnífica sua poesia contando detalhes da mítica rainha! Já li por aí que ela não era bela... que o negócio dela era magnetismo e inteligência, mas isso nunca saberemos se é verdade... E o feio e o bonito é tão relativo né? Lindo post Li! Vou procurar esse attar...

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Diana. É, pois é, muitas especulações sobre a Cleópatra e até nisso o mistério egípcio se perpetuou...
    Esse óleo é incrível, você precisa conhecer. Pra variar, eu conheci através da Mailen, " A louca dos óleos egípcios" kkkkkkkkkkkkk. De todos que ela me enviou esse foi paixão imediata. Loucura o negócio, bem abafado mas calmo, delicado. Era o tal óleo que chamávamos de óleo de rosas egípcio e que depois ela descobriu que não era de rosas mas sim de âmbar, pois tinha cometido um engano com a etiqueta.
    Ela me contou que a mãe dela o usou um dia desses e que foi seguida por um homem que precisou perguntar que perfume era aquele! Calcula!!!!!!
    Bjus

    ResponderExcluir
  3. Eu tb adoro Attar! Sou fascinado no Attar da Montale, muito rico e oleoso.
    Uma bela referência aos aroma de outrora, realmente, com um ar de Cleópatra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gosto, Cassiano. Attares por si só são intensos e quase sempre remetem ao aroma de incenso, o qual sou apaixonada. O único senão que faz com que eu tenha cautela em relação a eles é a nota de oud que, pra mim, deve ser bem leve, senão eu não consigo suportar.
      Bjs

      Excluir
  4. E onde ela compra esse óleos mágicos, heim?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diana, é um vendedor que anuncia no ML !

      Excluir
  5. Caraca!!! Você é uma poetisa de primeira grandeza! Estilo clássico, ou melhor, classudo de ser (rsrsrsr)...
    Estou aqui imaginando o cheiro dessa Cleópatra que habita o nosso imaginário...
    Luxo, Li!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que nada, Cris! Eu acabo é me divertindo com o formato. No fim, a resenha em si fica mesmo na introdução e o poema e as fotos fecham o estilo que criei de site, é uma delícia de fazer. Apenas queria ter mais tempo para fazer mais por semana, mês. São trabalhosos e levam tempo a serem feitos. A escolha e ajuste de quais serão as fotos então...E como me empolgo na quantidade dela, já viu!
      Bjus, querido.Sua presença é sempre importante aqui.
      Li

      Excluir
  6. Sua "Cléo" está muito linda e cheirosa, Lily! Adoro seus poemas, é um dom que muito admiro... ficou lindo, viajei no triângulo de amor, ódio, paixão e política! Você lembra da Cleópatra do seriado Roma, da HBO? Imaginei ela na hora, lasciva, beirando à loucura... Beijos e mais beijos, a ideia deste mês foi fantástica, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Pri :)
      Não assisti a esse seriado, infelizmente, pois adoro tudo que se relaciona ao Egito. Eu gosto muito dos livros do Conde Rochester sobre o tema. História é muito fascinante mesmo e a universal e antiga então...eu adorei o tema, né? rs rs
      Bjinhos

      Excluir